A teoria e a prática da pesquisa num contexto global



O trabalho da pesquisa de mercado e da pesquisa de opinião constitui a aplicação do método científico. Como tal, o método científico não é mistério ou bruxaria nem privilégio de algumas mentes iluminadas. Mas, uma técnica que deve levar a conclusões, por caminhos claros e capazes de serem repetidos e comprovados por outros pesquisadores em qualquer lugar e ocasião.

A metodologia deve estar assim, disponível para todos, para comprovar a sua veracidade e adequação da técnica. Ela é estabelecida através de raciocínios abstratos, que pressupõem situações ideais, variáveis endógenas e controladas de um sistema, e variáveis aleatórias cuja gama de valores podem levar aos resultados mais diversos que, teoricamente, formam um conjunto denominado espaço amostral.

Muitos pesquisadores defrontam-se com grandes dificuldades, principalmente em sua fase pós-acadêmica, por não conseguir identificar no mundo real, na vida prática, os casos perfeitamente definidos na teoria. As variáveis trabalhadas na prática comportam-se às vezes, como nuances de uma variação de cor, quase imperceptíveis. Contudo há diferenças, que só podem ser percebidas por instrumento teórico e não manualmente, para isentar o resultado, das imperfeições humanas e das limitações do pesquisador. Em certos casos a teoria faz o papel de uma balança de alta sensibilidade.

É neste ponto que o cientista precisa ter intimidade com a teoria dos erros e saber palmilhar o terreno da incerteza, formulando cuidadosamente suas hipóteses para que a verdade não se mascare nos resultados, em virtude das suas bases conceituais inadequadas para aquele caso.

As teorias e teoremas estatísticos, as teorias sociológicas e sobretudo a criatividade e experiência do cientista se combinam, ora prevalecendo as verdades de uma ou de outra, para formar o produto acabado mais importante do trabalho de pesquisa, que é a interpretação dos resultados. Na era da globalização que se promete abrir para o Brasil e para o mundo, e de transformações cada vez mais aceleradas, mais intensamente devem preocupar-se os cientistas pesquisadores do comportamento. Hoje, mais do que nunca é preciso que tais profissionais estejam atentos, na interpretação dos seus resultados, acompanhando variáveis específicas que caracterizam as regionalidades, as crenças, os orçamentos, e por fim o imprevisível comportamento humano ante novas situações. (BARTOLOMEU LEAL)



voltar





Copyright © 2002-2004 Instituto Harrop. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido e gerenciado pela Nativ - Agência Interativa.